Samurais

O nome Samurai é associado no ocidente à imagem do guerreiro, do lutador, mas pouca gente sabe que foi a classe dominante no Japão no seu período de maior calmaria social e que os verdadeiros samurais cultivava a busca do equilíbrio entre o caminho da espada e da pena.

Pelo caminho da espada se entenda: a habilidade na esgrima propriamente dita como também habilidade em todos tipos de armas e o entendimento das estratégias de combate, que era o que mais freqüentemente decidia o resultado da batalha; e pelo caminho da pena, que nenhum samurai verdadeiro se descuidava.

O curioso é que o ocidente mitifica o oriente (decerto para torná-lo apenas admirável e não alcançável) e o samurai, de administrador sagaz e lutador completo é transformado aos olhos nossos em soldado fiel e truculento, imagem que nem de longe faz juz às suas (muitas) habilidades não combativas que dominava por força de sua própria formação.

Os japoneses crescem aprendendo que são um povo especial, amando a terra em que nasceram e aprendendo desde cedo a importância da introspecção, uma defesa clara contra o choque psicológico de morar em ilhas superpovoadas assolada por tempestades e terremotos constantes, os samurais não fugiam desta regra, antes, por fazerem parte da classe dominante e, pelo menos inicialmente não tendo as responsabilidades do poder propriamente dito, ajuntavam a este sentimento uma erudição de monta.

Sob forte influência das religiões (Budismo zen, Xintoísmo e Confuncionismo) que proliferavam no Japão de então, eles criaram seu código de honra e viviam por ele: o Bushido, que literalmente se traduz por “Caminho do Guerreiro” e surgiu no Japão entre as eras Heian e Tokugawa (séculos IX-XII).

Os samurais não tinham medo da morte e a noção de honra inspirava-os uma lealdade como se viu poucas vezes na história. Quando um samurai perdia o seu Daimyo (título do senhor feudal, chefe de um distrito) ele se tornava um Ronin, o que era um problema, pois não conseguindo ser contratado por outro e não tendo quem provesse o seu sustento, poderiam até se entregar ao banditismo.

O ocaso dos samurais iniciou quando as táticas de guerra incluiram as armas de fogo, o que exigia maior número de soldados que a qualidade destes soldados, e a honra e a habilidade pessoal de combate perderam espaço para o volume,mas o valor destes guerreiros não se perdeu, pois mesmo depois de serem extintos oficialmente seu espírito permaneceu e norteou a reconstrução do país quando foi desmantelado após a Segunda Guerra mundial.