relato

Iaijutsu e Combate

“Iaijutsu pra mim é autoconhecimento. Como disse o Sensei: “Enfrentar a si próprio é o mais duro combate”, e no Iai lutamos o tempo todo contra nossas fraquezas, contra a nossa escuridão, nossa sombra. Iniciar e terminar um kata devem ser processos exatamente iguais: Sereno por fora e como um vulcão em atividade por dentro. Sem nos precipitarmos no começo, sem relaxar no final. Espirito de combate do início ao fim.”
– Cavalcante (Unidade Vila Mariana/SP)

É preciso Respeitar a Vida

“Quando comecei a treinar Kenjutsu, compreendi que a espada literalmente se torna uma extensão da nossa existência, refletindo o estado do nosso espírito e nos mostrando as consequências dos nossos desleixos ou esforços. Respeito é a palavra. Quando nos colocamos de frente para a morte, surge a compreensão de algo que tem sido esquecido pela humanidade. É preciso respeitar a vida, seja a nossa através de um caminho sério, seja a dos outros pela compaixão e pelo zelo.”
– Matsuno (Unidade Santana/SP)

Qual a sensação de treinar Kenjutsu?

“É sentir a energia passando para os músculos. e uma sensação prazerosa ao respirar instantes antes de atacar, tudo em alguns segundos durante a batalha.”
– Jacob (Unidade Ana Rosa/SP)

“É uma sensação de foco absoluto. Eu sinto como se, lá fora, o tempo parasse, e fico completamente submergida no treino.”
– Isabella (Unidade Vila Mariana/SP)

“É difícil colocar em palavras. Acho muito legal ter um leve vislumbre de como os samurais viam o mundo naquela época, além de ajudar a melhorar o condicionamento físico. Mas a melhor sensação é a de estar aprendendo na prática, uma compreensão do porque os samurais são admirados até os dias de hoje.”
– Rafael Moron (Unidade Ana Rosa/SP)

“Sensação de liberdade. Quando treinamos, esquecemos de qualquer coisa, tudo fica para fora do dojo. É seu momento livre, em que você se dedica 100% a você e seu treino.”
– Cavalcante (Unidade Vila Mariana/SP)

Ilusões

Não preciso, mas conto mentalmente os passos para se aproximar antes do ataque… quando vejo um relâmpago. O movimento não é duro, de ir para a frente. É muito mais suave.

Em décimos de segundo, o pulso se desloca, tirando o antebraço exposto do raio de ataque. Em seguida as espadas se chocam na defesa. É tão rápido e suave que confunde alguém que não esteja com o olhar apurado.

Me questiono quantas vezes estas e outras ilusões não foram feitas num dos duelos de Musashi Sensei para enfim fazer parte dos makimonos (pergaminhos).

Resta treinar agora para absorver os ensinamentos de hoje, e, quem sabe um dia, conseguir utilizar uma técnica deste calibre numa luta.

Mu Kamae

Em suas lutas era evidente a diferença no espírito, enquanto ele era golpeado e pressionado por incontáveis golpes, ele se mantinha resoluto e firme sem se abalar, então de repente parecia que não era sua Naginata que tocava o oponente, e sim que o oponente se colocava no caminho da Naginata. Acredito que isso seja Mu Kamae, sem forma, sem rigidez ou nervosismo, total desapego mas totalmente imbatível.